Contabilidade gerencial VS contabilidade tradicional (financeira): uma luta de verdade?

O estatístico americano, chamado William Edwards Deming (1900-1993), foi responsável por grandes melhorias nos setores de produção nos Estados Unidos e no Japão. Um de seus ensinamentos mais famosos, base fundamental de grandes executivos no mundo de negócios, foi a seguinte frase: “Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende e não há sucesso no que não se gerencia”. Em resumo, só conseguimos gerenciar se medimos e/ou controlamos.

Uma fonte de informações e muitos indicadores em relação aos fundamentos da empresa é a contabilidade. Com a contabilidade conseguimos: avaliar endividamento das empresas, valor do patrimônio, fluxo de caixa, capacidade de pagamento de curto e longo prazo, prazos médios de vendas, de compra, de estoque…. Porém, existe um grande dilema no mercado corporativo: contabilidade externa VS contabilidade interna.

Contabilidade Gerencial x Tradicional

Os conceitos são bem simples, contabilidade externa diz respeito as informações que são repassadas para agentes externos a empresa, como: governo, bancos, fornecedores e outros interessados. A contabilidade interna diz respeito as informações para gerenciamento da empresa, como: funcionários, gestores e acionistas. Na pratica, contabilidade externa seria a tradicional e, a contabilidade interna, seria a gerencial.

Vale a pena ressaltar que as contabilidades, tanto gerencial quanto tradicional, não são contabilidades diferentes, mas sim uma extensão da outra. A contabilidade tradicional surgiu como uma exigência de governança corporativa, ou seja, surgiu com a necessidade de transparência. Com o crescimento das corporações, principalmente após a revolução industrial (no período de 1760 a 1840), nasce a necessidade de “prestar contas” para todos os envolvidos na empresa, como bancos que ofereciam empréstimos, governos que cobravam impostos e para os acionistas, figura muito mais presentes, principalmente com o surgimento de empresas com vários investidores.

Descomplica

Como a contabilidade tradicional surgiu como necessidade externa, ela foi baseada, principalmente, em normas e regulamentos. Estas normas, criadas pelos governos de cada pais, surgiram com a premissa básica de pagamento de impostos e, por isso, nem sempre estava atualizada com a velocidade de mudança dos mercados empresariais. Neste contexto inicia-se a contabilidade gerencial, uma variação criada pelos gestores das empresas para servir de apoio para o processo decisório das corporações. Ou seja, a contabilidade gerencial é um resumo, de maneira prática e eficiente, passado a administração da empresa para servir como base para a decisão, para a análise da empresa. A contabilidade tradicional, de maneira geral, tem como objetivo informar os agentes externos.

Geração X

A contabilidade gerencial costuma utilizar muitos índices como informações, tais quais:

1.    Índices de Rentabilidade

São os índices que informam o retorno que o patrimônio investido/disponível da empresa. Neste caso, quanto maior o índice melhor!

a.    Giro do ativo – receita operacional bruta / ativo total – este índice nos fala a geração de receita sobre cada $ do ativo.
b.    Margem liquida – resultado líquido / receita operacional liquida – a margem liquido os informa o resultado sobre a receita da companhia.

c.    Rentabilidade do patrimônio líquido – resultado líquido / (patrimônio líquido – resultado líquido –  a rentabilidade do patrimônio nos informa os resultados gerados sobre o patrimônio dos acionistas, ou seja, quanto dinheiro do investidor está sendo remunerado. Neste caso a comparação precisa ser feita com um investimento de baixo risco. Se a rentabilidade do patrimônio líquido precisa ser maior que o resultado do investimento liquido com baixo risco.

CNAE Simples

2.    Índices de estrutura de capital

Nestes indicies, temos a visualização de como está o capital dentro da empresa. Neste caso os indicadores dependem de cada área de atuação, por isso não existe uma regra de maior ou menor.

a.    Participação de capital de terceiros – (passivo circulante / exigível a longo prazo) / ativo total – este indicador nos mostra quanto de capital de terceiros existe dentro da empresa, ou seja, dividas de longo prazo (que não serão liquidados dentro do ano subsequente da análise do balanço). Quanto mais próximo de 1 maior a dependência de terceiros. Um indicador considerado ideal fica igual, ou inferior, a 0,6.
b.    Endividamento a curto prazo – passivo circulante / (passivo circulante + exigível de longo prazo) – mostra o nível de endividamento de curto prazo. Quanto menor for este índice, menos dividas a serem pagas no curto prazo a empresa possui.

Fale com a Previsa

3.    Índices de liquidez

Demonstra a capacidade da empresa de pagar suas dívidas no curto prazo.

 a.    Liquidez geral – (ativo circulante + recebíveis de longo de longo prazo) / (passivo circulante + exigíveis de longo prazo) – o índice de liquidez geral mostra a capacidade da empresa de pagar todo seu endividamento. Este índice precisa ficar acima de 1, caso contrário demonstra que a empresa não possui capacidade de pagar suas dívidas.
b.    Liquidez corrente – ativo circulante / passivo circulante – o índice de liquidez corrente mostra a capacidade da empresa pagar seu endividamento de curto prazo. Da mesma forma, índice inferior a 1 demonstra problemas na empresa.
c.    Liquidez seca – (ativo circulante – estoque) / passivo circulante –  este índice também demonstra a capacidade da empresa quitar suas obrigações de curto prazo. Porém, este caso, desconsideramos o estoque para calcular o índice. Por dois motivos básicos: para quitar obrigações precisamos vender o estoque, o que não necessariamente é realizado com velocidade; e, necessitamos do estoque para mantermos a operação da empresa, portanto liquida-lo para cumprir obrigações pode imobilizar completamente a operação da companhia. Como todo índice de liquidez, inferior a 1 demonstra problemas para pagamento das obrigações de curto prazo.

giphy (1)

Estes são somente os índices mais básicos da contabilidade gerencial, existem muitos outros como: prazo médio de recebimentos, prazo médio de estoque, prazo médio de compra, ciclo de caixa. Os índices utilizados devem depender SEMPRE da sua necessidade. Utilizem os que fazem sentido para sua empresa.

Lembrando que, para você gerar boas informações para aplicar a contabilidade gerencial, a contabilidade tradicional precisa ser realizada de uma maneira sólida e eficiente. Por isto, é de extrema importância que você possua um escritório de contabilidade parceiro e de confiança, contando com profissionais íntegros e capacitados.

Se tiver alguma dúvida, deixe aqui o seu comentário ou entre em contato conosco por meio do site: http://previsa.com.br/contato

Siga-nos também nas redes sociais e inscreva-se no nosso canal para ficar por dentro de todas as novidades do universo da contabilidade.

Facebook: https://www.facebook.com/previsacontabilidade
Twitter: https://twitter.com/previsa
Youtube – Descomplica Previsa: https://goo.gl/zepzly
Blog: http://previsa.com.br/blog